ESPECIAL – MUNDO SUBTERRÂNEO

Há uns meses atrás, acompanhando a Michelle em um curso em Campinas, resolvi visitar a sede da SBE (Sociedade Brasileira de Espeleologia), e fui prontamente bem atendido pelo Lucas, funcionário da sede, que abriu a biblioteca em um sábado à tarde só para mostrar o acervo, interessantíssimo, por sinal. Fica localizada no Parque Taquaral, que também é um atrativo à parte.

wp_20160709_14_02_32_pro

Entrada da sede

wp_20160709_14_02_54_pro

Sede da SBE no parque Taquaral

wp_20160709_14_46_40_pro

Parte do acervo da biblioteca

Boletim da SBE – Visite o site e receba, é gratuito!

Então, tive a ideia de reunir nesse post algumas cavernas que visitamos e suas curiosidades. Ainda não conhecemos muito sobre elas, mas estamos no caminho, e sempre que temos oportunidade, aprendemos um pouco mais sobre esse curioso patrimônio natural sob nossos pés. E agora, vou tentar passar adiante um pouco do que vimos e aprendemos sobre cavernas.

As formações que vemos, chamadas em geral de espeleotemas, são normalmente compostas de calcário, que vai se dissolvendo com a água no decorrer de milhares de anos. Quanto mais úmido é o lugar, mais água escorre pela caverna, e mais e maiores espeleotemas existem ali. Alguns deles:

Estalactite: São aquelas “pontas” que descem do teto. É onde a água escorre e vai dissolvendo os minérios do teto da caverna.

Estalagmite: São as pontas que saem do chão, onde a água vai pingando. Normalmente logo acima de uma estalagmite há uma estalactite.

Coluna: É quando uma estalactite se junta à uma estalagmite, formando um pilar.

Cortina: Uma espécie de estalactite, que ao invés de pingar, vai escorrendo e forma algo que se parece mesmo com uma cortina. Às vezes são tão finas que luz da lanterna transpassa elas.

Helictite/Heligmite: É, de grosso modo, uma “estalactite torta”. Ocorre quando ela não segue o caminho normal, indo em direção as laterais, ou mesmo para o sentido oposto de onde saiu. Devido a diversos fatores, ela vai tomando formas curiosas e tortas.

Flor de Aragonita: Um espeleotema raro, tem o aspecto de uma estrela de calcário, saem pontas para todos os lados a partir do centro.

Bolha de Calcita: Só vimos essa formação na Gruta da Torrinha, na Bahia. São bolhas ocas, muito finas de minerais. Parece uma casca de ovo.

Agulhas de Gipsita: Também vimos na Gruta da Torrinha. São agulhas muito compridas e finas (co até 40cm de comprimento!), muito transparentes, com aspecto de cristal. Ficam no chão, espalhadas.

Pérolas: Devido ao gotejamento e ao local em que essa água cai, os minerais vão girando e se solidificando, tomando a forma de pequenas pérolas brancas.

A primeira grande caverna que conhecemos foi a Caverna do Diabo, no Vale do Ribeira, cidade de Eldorado-SP. Toda estruturada para receber turistas, com passarelas e escadas. Apesar de ser uma das maiores cavernas do país em extensão, apenas alguns metros são abertos ao turismo. Serviu para aguçar nossa vontade de conhecer cavernas!

dsc09821

Estalagmites (que saem do chão), na Caverna do Diabo

Agora, o famoso PETAR (Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira), que se localiza no sul do estado de São Paulo, em meio à Mata Atlântica. O parque conta com mais de 300 cavernas, dessas, apenas 10 abertas à visitação turística. vale lembrar que só é permitida (e prudente) a entrada em cavernas acompanhados de um guia.

Em 2012, passamos 3 dias no PETAR, e conhecemos diversas cavernas, entre elas:

img_1955

Caverna do Morro Preto

img_1968

Uma grande coluna no centro da caverna

Conhecemos também a Caverna da Água Suja. Dentro dela há um rio, com uma pequena cachoeira. Sensacional!

img_2055

Outra caverna com água, muito legal, é a Alambari de Baixo:

img_2268

Para entrar, é preciso se molhar (gelado!!!)

img_2274

Entrada da caverna

img_2301

É preciso passar entre as estalactites (teto)

Vale lembrar também, que quando visitamos o PETAR, ficamos hospedados no Camping do Dema, em Iporanga-SP, e o dono (o próprio Dema) nos atendeu super bem, e ainda no último dia nos guiou pela Caverna Santana, e vimos que ele é um excelente guia. Fica a dica!

img_2406

Dema na Caverna Santana

img_2416

“Espeleotetas”

img_2422

Colunas

img_2433

Cortinas

No último dia de PETAR conhecemos o Adriano, da cidade de Votorantim, muito gente boa também, bom conhecedor da região, nos levou até a sensacional Caverna da Laje Branca, que não é aberta a turistas, e, por isso, super bem conservada.

img_2485

Caverna da Laje Branca, vista de longe

img_2550

Entrada da caverna

img_2468

Estalactite

img_2577

Formação conhecida como “pérolas”

img_2593

E o “Bolo de Noiva”

Outra viagem  sensacional que conhecemos cavernas inesquecíveis foi na Chapada Diamantina, na Bahia, também em 2012. Os belos lagos “Poço encantado” e o “Poço Azul”, esse último com a água tão transparente que nas fotos, parece que estamos voando!

img_0542

Poço Encantado

img_0558

Poço Azul

 E ainda na Chapada Diamantina, incrível Gruta da Torrinha, com espeleotemas sensacionais. Algo inédito para nós!

img_0644

img_0649

A entrada da caverna

img_0721

Flores de aragonita

img_0738

Fileiras de estalactites

img_0755

Agulhas de Gipsita

Também, na Bahia: A enorme caverna Lapa Doce, a Lapa do Bode, e, a Lapinha, que entramos nadando, com snorkel e colete salva-vidas.

img_0794

Entrada da Lapa Doce

img_0818

Formação conhecida como “Rabo de Baleia”, também na Lapa Doce. A cor avermelhada é devido ao ferro contido no solo.

img_0499

A seca e quente Lapa do Bode. Repare nos sedimentos das paredes.

img_0861

E a encantadora Pratinha

img_0868

Pratinha

Em Minas Gerais, conhecemos algumas cavernas muito bonitas também, com estrutura para turistas (passarelas, corrimão e iluminação artificial).

img_0239

A gruta Rei do Mato, em Sete Lagoas-MG

img_0315

E a Gruta da Lapinha, em Lagoa Santa-MG

Em uma outra viagem, anos depois, conhecemos a Gruta dos Palhares, na cidade de Sacramento-MG. O local é um belo parque com lagos, trilhas, restaurantes, etc.

img_0526

Gruta dos Palhares

Também em Minas Gerais, ainda em outra viagem, em 2009, conhecemos a Gruta do Carimbado em São Thomé as Letras, e várias outras cavernas, menores, no Parque Estadual da Serrado Ibitipoca.

dsc03669

Gruta do Carimbado

dsc03859

Gruta dos Três Arcos, no P.E. da Serra do Ibitipoca

É claro, e na Chapada dos Guimarães, no Mato Grosso, conhecemos mais algumas cavernas.

img_1688

Caverna Aroe Jari

img_1718

Lago Azul, também na Chapada

img_1724

Caverna Kiogo Brado

Retornando ao assunto do início do post, a Sociedade Brasileira de Espeleologia publicou algumas fotos das viagens do Revolteio no boletim mensal SBE Notícias. Uma grande oportunidade de divulgar nossas viagens e compartilhar com os leitores algumas fotos interessantes do nosso belo patrimônio espeleológico! Confira:

SBE Notícias 342 (01/06/2016)

sbenoticias_342-4

SBE Notícias 350 (01/10/2016)

sbenoticias_350-4

SBE Notícias 356 (01/01/2017)

sbenoticias_356-5

SIGA O REVOLTEIO NAS REDES SOCIAIS:

FACE       INSTA      PINTE      YouTube-icon-400x400

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s