ILHA GRANDE/RJ – MAI/2017

Há muito tempo queríamos conhecer esse pedaço do paraíso localizado no estado do Rio de Janeiro, chamado Ilha Grande. Aproveitamos algumas folgas da Mi, arrumamos o Mobiroom (é um kit que transforma minha picape Montana em um pequeno motorhome), e partimos.

Após mais de 9 horas de chuva, neblina e uma parada de 2 horas pra dormir, chegamos à Angra dos Reis por volta do meio dia de sexta-feira. E, milagrosamente havia parado de chover. O céu continuava um pouco cinza, mas a chuva parou!

Deixamos o carro em um estacionamento (R$35/dia) e nos encontramos com a Roberta, da Pousada do Preto, local onde íamos ficar hospedados. Pegamos então um pequeno barco (traslado ida e volta inclusos na hospedagem) e depois de aproximadamente uma hora de barco, com uma paisagem incrível à nossa volta, chegamos à ilha.

IMG_2245

Deixando Angra dos Reis

IMG_2246

Indo em direção à Ilha Grande

A Ilha Grande é bem montanhosa, com picos de mais de 1000m (como o Pico do Papagaio), repleta de Mata Atlântica e praias recortada por pedras, encostas e Mata Atlântica. Por lá não há carros, e o transporte principal são os barcos, e caminhada por trilhas (já que há várias ligando as vilas da ilha).

O barco parou um pequeno estaleiro na Praia do Bananal, onde iríamos ficar. De longe já vimos a Pousada do Preto, um casarão amarelo, durante muito tempo funcionou uma fábrica de processamento (defumação e posteriormente salga) de sardinhas. A família que administra a pousada, assim como a maior parte dos moradores da Praia do Bananal são descendentes de japoneses.

IMG_2329

A sensacional Pousada do Preto

Logo que chegamos, uma mesa farta nos aguardava para o almoço. O cardápio da pousada quase sempre tem algum prato oriental entre as opções. Nos hospedamos com pensão completa, o que vale muito a pena, pois a comida é muito boa, a estadia inclui o traslado (ida e volta de Angra), e também passeios de barco pelas praias da ilha.

IMG_2256

Almoço

IMG_2747

Refeitório, bar…

IMG_2292

Andar de cima, onde ficam os quartos

Assim que chegamos em nosso quarto, nos surpreendemos com a organização e a vista da sacada. O mar, verdinho, cheio de barcos e mata nativa ao redor.

IMG_2262

Nosso quarto – Uau!

IMG_2263

Estaleiro da pousada (visto de nossa sacada)

Após o almoço, demos um passeio pela praia. A Praia do Bananal é bem tranquila, parece mais uma vila de pescadores. Tirei algumas fotos, e fomos até um estaleiro em meio às pedras, muito legal. A água do mar nos arredores da ilha é impressionante. De longe, um verde maravilhoso. De perto, muito transparente, dá para enxergar o fundo com quase 2m de água!

IMG_2304

Praia do Bananal

IMG_2313

Paisagens…

Voltamos à pousada, e como estava garoando um pouco e estávamos cansados da viagem, aproveitamos para para tirar um cochilo. Acordamos quase na hora do jantar, rs! Jantamos, e fizemos amizade com um grande grupo de japoneses da cidade de Registro/SP que estava hospedados lá.

O dia seguinte amanheceu com tempo bom. Tomamos um café da manhã reforçado, e fomos junto com o grupo de japoneses para um passeio de barco.

Pela manhã, fomos até a Vila do Abraão, a mais famosa (e mais lotada) da ilha. Descemos todos no píer, e saímos para uma pequena caminhada, guiada pelo Luís, monitor da pousada.

IMG_2341

Proa do Barco “Águia dos Mares”

IMG_2360

E a turma que nos acompanhou!

IMG_2357

Paisagens belíssimas!

IMG_2392

Rua principal da Vila do Abraão

Caminhamos pela rua principal da Vila do Abraão (lá tem muita gente, principalmente estrangeiros), passamos por algumas praias, trilhas e chegamos às Ruínas do Lazareto, local à beira da praia, onde funcionou um presídio até 1915. Todo de pedra, com túneis e grades, um pouco assustador. Ao lado, um belo rio com um lago. Curiosidade: Neste mesmo presídio, o escritor Graciliano Ramos escreveu o livro “Memórias do Cárcere”, entre os anos de 1936 e 1937.

DSC05363

Indo para as Ruínas do Lazareto

DSC05372

Celas

DSC05374

E a lagoa ao lado das ruínas

Voltamos, e, junto com mais um casal e o filho, eu e a Michelle pegamos uma outra trilha, e fomos conhecer as Ruínas do Aqueduto, todo de pedra, que abasteceu a ilha durante muitos anos. A altura dos arcos impressiona! Passamos também por uma corredeira, com pequenas quedas d’água e um lago, e também um mirante do Aqueduto.

DSC05382

Aquedutos

DSC05362

Uau!!!

Alguns minutos depois, retornamos à avenida principal (onde está instalado o centro de visitantes da ilha em um grande casarão vermelho), e nos juntamos novamente ao grupo.

IMG_2327

Conchinhas

Voltamos à pousada, almoçamos, e após pouco tempo, já estávamos no barco novamente para outro passeio! Dessa vez, na Lagoa Azul. Em um outro barco, um pequeno grupo dos hóspedes da pousada levou equipamento e foram pescar.

Chegamos de barco à maravilhosa Lagoa Azul, que na verdade é um braço de mar que avança na ilha. A cor da água é incrível, e assim que paramos, o guia começou a jogar pão na água, e logo uma infinidade de peixes coloridos se aproximou do barco.

O clima não estava tão quente, mas eu, a Mi, e mais um casal, criamos coragem e pulamos na água! Passamos frio, mas valeu muito a pena. Nadamos até a margem, foi muito bacana!

IMG_2538

Chegando à Lagoa Azul

IMG_2535

Muitos peixes…

IMG_2543

Nem parece que está com frio!

IMG_2554

Pôr-do-Sol

Voltamos para a pousada, jantamos (bastante, rs), e conversamos muito com a Roberta, o marido e turma que estava hospedada lá!

No dia seguinte, depois do café, o grupo de japoneses se despediu e foi embora. Eu, a Mi um casal de SP que estava na pousada, a filha da Roberta e uma amiguinha fomos passear com o barco menor da pousada, acompanhado pelo guia Luís.

IMG_2611

Chegando na praia

Fomos novamente até a Lagoa Azul, mas em outra parte (dessa vez não tivemos coragem de entrar, só as crianças pularam). Fomos então até a belíssima Praia de Japariz, e depois de uma trilha de cerca de 20 minutos, chegamos até a Freguesia de Santana. Uma das vilas mais antigas da ilha. Vimos também a Igreja da Freguesia de Santana, de 1948, muito bonita, de frente para o mar. Descemos mais um pouco até a praia, e ficamos ali, curtindo o visual, e o mar, nervoso!

IMG_2612

Praia de Japariz

IMG_2645

Igreja da Freguesia de Santana

Voltamos para a praia de Japariz, tirei várias fotos, e como lá o mar estava bem calmo, a Mi e as duas meninas entraram na água.

IMG_2662

Uau!!!

IMG_2652

Que cor de água, hein!

Retornamos à pousada, almoçamos, e juntamente com o casal de SP, encaramos uma empreitada: Subir por trilha até o Mirante da Praia do Bananal. O morro fica ao lado da praia, e tem cerca de 400m de altura (saindo do nível do mar).

Ativo 1.png

Começamos a trilha, e após uns caminhos errados, bifurcações e parar em umas casas pedir informações, acertamos a trilha. Mata fechada, um cenário muito bonito, vários pés de jaca e subida, muita subida. Depois subir cerca de 40 minutos, o casal paulistano achou melhor descer. Eu e a Mi continuamos. Sobe, sobe,  mais uma meia hora. Enfim, chegamos. E lá de cima, vimos como valeu a pena. O mirante é sobre uma enorme pedra, e a vista é de tirar o fôlego. De lá é possível ver além da Praia do Bananal, diversas ilhas, muita mata, morros e outras praias. Ficamos lá em cima admirando cerca de meia hora!

IMG_2692

Inúmeros pés de jaca

IMG_2705

Mirante

IMG_2727

Aeee!!!

Descemos, chegamos por volta das 17hs na pousada. Banho, janta e cama! No dia seguinte, após o café da manhã, arrumamos as malas, pegamos o barco e regressamos à Angra do Reis. Ilha Grande, Pousada do Preto, com certeza vamos voltar!

IMG_2752

Eu e o “Preto” da pousada (que na verdade é japonês, rs)

Pegamos o carro, e voltamos pela Rio-Santos (até paramos na Usina Nuclear de Angra para tirar uma foto – que medo!) – paramos também para conhecer a Vila Histórica de Mambucaba, com algumas construções históricas e uma bela igreja de frente para o mar, passamos por Paraty e subimos a serra de Cunha (uma estradinha de mais ou menos 50km que liga Paraty/RJ a Cunha/SP, que faz parte da famosa Estrada Real). A estrada é muito bonita, e vale a pena subir por ela (dá para subir com carro comum). Lá em cima, ainda paramos para uma foto da bela cachoeira Campo Limpo, ao lado da estrada!

IMG_2756

Usina de Angra

IMG_2758

Vila histórica de Mambucaba

IMG_2767

Marco da Estrada real, com a cachoeira Campo Limpo lá atrás

Demos uma rápida parada em Cunha para conhecer. A cidadezinha tem vários prédios históricos, e é famosa pela produção de cerâmica. Passeamos a pé, fomos ao Centro de Informações Turísticas, a Igreja Matriz, e o Mercado Municipal (esse último, é pequeno, mas muito legal e organizado!).

IMG_2769

Mercado Municipal de Cunha

IMG_2771

Interior do mercado

IMG_2775

E a Igreja Matriz

Fizemos nosso almoço no carro (como de costume), e algo nos chamou a atenção. Um senhor, morador de uma casa à frente de onde estacionamos o carro, chegou ao nosso lado e ficou olhando… (já pensei, “Putz, o cara vai reclamar de alguma coisa”), e, para a nossa surpresa, ele disse: “- Amigo, se precisar de água, pode usar a torneira da minha garagem!”.

Caramba, ainda existe bondade no mundo!

SIGA O REVOLTEIO NAS REDES SOCIAIS:

FACE       INSTA      PINTE      YouTube-icon-400x400

eeee

3 comentários sobre “ILHA GRANDE/RJ – MAI/2017

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s