MAIS CANASTRA!!!

Mais Canastra?!? Pois é, fomos de novo, agora para a parte “de cima” da Canastra. na parte norte. Fomos com a companhia dos amigos Caio e Bruna, e também do Mambo!

WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.32.14 (1).jpeg
Aeee!

Alugamos uma casa pelo AirBNB em na área rural de Vargem Grande.

Bom, viajamos a madrugada toda de sexta pra sábado (fomos de 4×2 porquê a Jubis estava no conserto), demos uma paradinha para fotos já de manhã nos canyons de Capitólio, e chegamos na casa que alugamos pela manhã. Mesmo com sono, tomamos um café da manhã reforçado e fomos passear!

WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.36.49 (1)
Paradinha em Capitólio
Captura de Tela 2019-07-23 às 22.45.01.png
Chegamos! A casa e a máquina!

Primeiro dia, fomos rumo ao Parque Nacional. Passamos por São Roque de Minas, passamos na portaria do parque e pagamos os R$10 cada do ingresso. Mesmo os quatro à bordo de um Uno, visitamos vários lugares e não tivemos problemas com as inúmeras estradas de terra da região!

Primeira parada, Nascente do Rio São Francisco. Ficamos um pouco por lá, tiramos umas fotos, e seguimos pelo parque.

WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.36.47 (1)
Entrada da nascente
WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.36.46
A estátua e a oração
WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.36.45 (2)
O berço do “Velho Chico”

Paramos também no Curral de Pedras. Mais fotos e paisagens incríveis!

WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.36.44.jpeg
Curral de Pedras

Seguimos. Dessa vez, o acesso para a Cachoeira do Rolinho estava liberado. Há poucos meses atrás não estava permitido o acesso. Aproveitamos a oportunidade e bora conhecer! Estrada de terra como sempre, mas em um estado razoável. Nada que um pouco de cuidado não fosse suficiente.

Fomos primeiro no grande lago abaixo da cachoeira. Sensacional! É claro, aquela água limpíssima, muito cristalina. Mas beeem gelada, e ninguém se animou a dar um tchigum…

WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.36.42 (2)
Trilha para o lago
WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.36.41 (2)
Top!

Voltamos um pouco, e fomos até a Cachoeira do Rolinho. Não tão alta, mas muito bonita, com aquela água gelada e transparente como já esperávamos. No local não estava ventando muito, então eu criei coragem e entrei na água. Fiquei quase 5 minutos, antes que tivesse uma hipotermia, rs.

WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.35.57 (2)
Chegando…
WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.35.56
Cachoeira do Rolinho!

Já mais para o final da tarde, fomos até a parte alta da Cachoeira Casca d’Anta. Vento frio, visual muito lindo. Um lago muito limpo, e duas quedas antes da cachoeira mais alta. também uma vista incrível do vale lá embaixo.

WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.35.54
Piscina natural
WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.35.53
Primeira queda
WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.35.53 (1)
Lago e o vale lá no fundo

Voltamos para a casa… E que FRIO! E dá-lhe lenha para a lareira. Muito cansados, com mais de 30 horas sem dormir, todos dormimos como pedra, apesar da noite gelada (4ºC !)

WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.34.33 (1).jpeg
Vish!

Domingo amanheceu, café da manhã, e fomos para a propriedade do Vitinho.

Vitinho e sua esposa são proprietários de uma área rural onde fica a Gruta do Tesouro. Eu e a Michelle conhecemos ele na outra ida à Canastra, mas ele não pode nos acompanha na travessia. Dessa vez deu certo!

Depois de um bom bate papo na cozinha do sítio (sempre acompanhados de muito queijo, pão de queijo e café), e munidos de capacetes, lanternas e corda, fomos nós quatro, o Vitinho e seu filho para a caverna.

WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.35.48 (1).jpeg
Um pouco antes da entrada da caverna

Entramos na boca da gruta, e a partir daí foi uma aventura só!

No total, foram mais de 100m abaixo da terra, 1,5km de extensão total e nada menos que 4 horas de adrenalina no mundo subterrâneo.

WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.35.13 (1)
Estalactites
WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.35.49
Escaladas…

O Vitinho, com aquele jeitinho mineiro, e muito atencioso, nos guiou pela caverna. Acompanhados de estalactites, estalagmites, cortinas, colunas e muitas outras formações espeleológicas, fomos observando, escalando, rastejando e em certos pontos até nadando naquele ambiente cheio de novidades.

WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.35.14 (1)
Espaços minúsculos!
WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.35.50
Descidas tensas
WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.34.40 (2)
Todo mundo espremido e feliz!

Passeio com um grau de dificuldade alto, muita emoção e adrenalina! Com certeza o melhor da viagem.

WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.35.09 (1)
Um rio e pequenas cachoeiras na gruta
WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.35.14 (3)
Caio sofrendo
WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.34.39 (2)
E a saída!

Como se tudo isso já não fosse o suficiente, ao sair da caverna, Vitinho nos levou por uma trilha de poucos metros até uma cachoeira!

WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.34.39
Vitinho, chegando no rio
WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.34.39 (3)
Depois da cave, cachu!!!

Acabou?!? Não!!!

Andamos mais um pouco por trilhas, e chegamos em uma “solapa” como o próprio Vitinho nos apresentou o local. Uma enorme laje de pedra com o rio passando por baixo!

WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.34.38 (1).jpeg
Um rio coberto? Como assim?!?

Sensacional! Um rio coberto por uma pedra!

WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.34.35 (1)
Todos perplexos com a “solapa”

Voltamos para o sítio dele todos sujos, cansados, molhados e tremendo de frio, mas com um sorriso de orelha a orelha!

Mais conversa, queijo, pão de queijo e café! Nas conversas, Vitinho disse que está interessado em começar a estruturar o local com um camping para receber turistas… Aguardem cenas do próximo capítulo!

WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.34.34 (1).jpeg
Come, bebe, conversa

E a quem interessar, o Vitinho guia turistas na travessia pela caverna. Emoção garantida, passeio MUITO legal!!!

Consultem os valores e datas disponíveis com ele. Tel/Whats (37) 9 9957-8016

Antes de voltar para a casa, compramos vários queijos feitos pela esposa do Vitinho, que aliás, são deliciosos!!! Voltamos para a casa, churrasquinho, frio e berço!

Outro dia! Saímos pra conhecer mais uns atrativos fora do parque.

Fomos à Cahoeira da Chinela. Pagamos R$10 cada e fizemos uma trilha curtinha até a cachoeira. Um lago enorme e uma cachoeira bem alta. Ficamos ali observando e curtindo, mas ninguém teve coragem de entrar. Frio!

WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.34.32 (1)
Na trilha, siga o Mambo!
WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.34.32
Cachoeira da Chinela

Saímos, e perguntamos para o proprietário sobre algumas cachoeiras (de preferência gratuitas) da região. Foi então que ele nos falou sobre uma tal de Cachoeira do Sileno. E com a ajuda do Google Maps e um pouco de insistência, chegamos nela.

Uma cachoeira não muito alta, mas com um bom lago e uma laje de pedra, onde é possível chegar quase atrás da queda. Show de bola!

WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.33.20 (1)
Cachoeira do Sileno
WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.33.18 (1)
Admirando

Já à tarde, depois de um bom rolê nas estradas de terra, muitas pedras, subidas (e o Uninho, guerreiro!) – chegamos à um sítio muito legal, onde dá acesso à Cachoeira do Nego!

Conversamos um pouco com a proprietária (muito gente boa), pagamos R$10 cada para visitar a cachoeira, e ela nos acompanhou até o início da trilha. Andamos cerca de meia hora por uns pastos e morros até chegar na cachu! E o Mambo, sempre junto!

WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.33.15 (1)
Cachoeira do Nego
WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.32.45
Paisagem típica de MG
WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.32.47
Mambo, na pedra rosa

 

Bem alta, com um visual bem bacana. Um lago grande, bem bonito. Ficamos lá um pouco, e como o sol começou a baixar, voltamos para a casa.

Último dia, arrumamos as tralhas, e antes de pegar a estrada ainda visitamos a parte baixa da Cachoeira casca d’Anta!

Pagamos R$10 cada para passar na portaria do parque, trilha leve até a queda. O primeiro grande salto do Rio São Francisco, à poucos quilômetros da nascente. A água despenca abruptamente de nada menos que 186m !

WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.32.40 (1)
Já aparece de longe
WhatsApp Image 2019-07-16 at 22.32.41 (2)
Cachoeira Casca d’Anta

A força da água é tanta que é possível sentir as gotinhas d’água a muitos metros da queda.

De lá, pegamos a estrada, e umas 9h depois estávamos em Botucatu!

.

SIGA O REVOLTEIO NAS REDES SOCIAIS:

FACE       INSTA      PINTE      YouTube-icon-400x400

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s