PETAR/SP – Agosto de 2012

Já há algum tempo tínhamos vontade de conhecer o PETAR (Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira), localizado na região sudeste do estado de São Paulo. A região é uma das mais pobres do estado, mas em compensação a Mata Atlântica é relativamente preservada e no local há mais de 300 cavernas (cerca de 10 para visitação turística). Revolteio noturno, saindo de Bauru, rodamos por cerca de 3 a 4 horas, também por alguns quilômetros de terra, até chegar na cidade de Iporanga, que é onde fica mais próximo dos atrativos do parque. Chegamos lá bem tarde, e nos hospedamos no Camping do Dema, perto da cidade (Bairro da Serra). O camping é bem organizado e limpo, na época pagamos R$20 cada a diária. No dia seguinte bem cedo, fomos até a cidade para procurar um guia, já que não é permitida a entrada nas cavernas sem os guias. Chegamos na agência de guias, estava fechada, esperamos bastante para conversar com os funcionários, que não achavam guia disponível, enfim, foi uma trabalheira só. Depois de cerca de 2 horas, conseguimos o guia, só para nós dois pagamos R$150 por dia para fazer diversos passeios entre trilhas, cavernas e cachoeiras. Iríamos ficar 3 dias. Entramos então no parque, que tem 4 núcleos: O Núcleo Santana (que entramos primeiro), Caboclos, Ouro Grosso Casa de Pedra (localizado na cidade de Apiaí).

IMG_1942

Rio Betari, no Núcleo Santana

Na entrada do Núcleo Santana, há um quiosque onde os guias se reúnem com os turistas e decidem os passeios. O núcleo Santana é próximo à cidade do é o que possui mais atrativos turísticos. No Núcleo Santana, conhecemos a Caverna do Morro Preto e também a Caverna do Couto (ambas secas). As cavernas do parque são todas visitadas apenas com lanternas (não possuem iluminação nem estruturas de acesso, como escadas ou corrimão), o que dá uma cara mais de “aventura” nas visitas.

Veja mais sobre cavernas em nosso post Especial – Mundo Subterrâneo

IMG_1952

Caverna do Morro Preto

IMG_1954

Entrada da Caverna do Couto

IMG_1985

Caverna do Couto

Depois dessas cavernas, fizemos a Trilha do Couto, passamos por alguma cachoeiras  ao Mirante Santana, que dá para ver boa parte do vale.

IMG_2003

Cachoeira no Rio Betari

IMG_2007

Vista do Vale do Ribeira

Depois fomos até o Núcleo Ouro Grosso, e conhecemos a Caverna Ouro Grosso e Alambari de Baixo.  Essa última em especial é muito interessante porque tem água dentro, tipo um rio que atravessa a caverna, formando uma pequena cachoeira e um lago que dá para entrar.

IMG_2036

Caverna Alambari de Baixo

IMG_2055

Queda d’água dentro da caverna

Ainda nesse núcleo, fizemos a Trilha da Figueira, que apesar de curta é bem legal, pois há um ponto que a trilha passa por dentro de uma árvore. Também vimos a Casa da Farinha, tipo um pequeno museu feito de taipa com utensílios usados para a produção da farinha de mandioca, produto feito pelos quilombolas da região.

IMG_2059

Trilha da Figueira

IMG_2073

Máquina para moer mandioca

No final do dia ainda tivemos tempo de visitar mais duas cachoeiras fora dos limites do parque.

IMG_2086 IMG_2099

Voltamos para o camping e ficamos conversando com o dono, o Dema, que é um senhor muito legal, nos deixou usar a cozinha da casa dele para fazer nosso jantar, e ficamos sabendo que ele é guia na região já há muitos anos.

IMG_2115

Boa noite !

No outro dia acordamos cedo, nos encontramos com o guia e fomos para o Núcleo Santana para fazer a Trilha do Rio Betari, que vai acompanhando o rio e passa por cachoeiras e cavernas. chegando no núclo, nos encontramos com mais um casal de São Paulo que estava agendado para fazer a quele passeio. Saímos andando por cerca de 40 minutos margeando o Rio Betari, conhecemos a Cachoeira das Andorinhas, que é muito forte e a água muito gelada, mas limpíssima. Após andar mais alguns minutos, chegamos à Cachoeira do Couto, também muito forte.

 IMG_2155

Rio Betari

IMG_2186

Cachoeira das Andorinhas

IMG_2194

Cachoeira do Couto

Voltando a trilha, passamos todos por uma pequena cobra cascavel, só a moça do outro casal que viu, ela estava por último na trilha. Ainda bem que ninguém pisou !

IMG_2214

Cascavel !

Na mesma trilha, conhecemos a caverna do Cafezal e também a Caverna da Água Suja, que assim como na Alambari de Baixo, tem um rio que passa por dentro e algumas corredeiras. tem também algumas partes que é preciso quase entrar por completo na água para passar entre as estalactites !

IMG_2257

Caverna do Cafezal

IMG_2347

Caverna da Água Suja

 IMG_2303

Rio que passa pela caverna

IMG_2339

Água geladíssima !

Chegamos no camping cansados, mas gostamos muito do passeio. Só o guia deixou a desejar… parecia que ele estava com pressa, não explicava nada e estava o tempo todo de cara fechada. Enfim, no camping conversamos bastante com o Dema (dono do camping) e também com dois amigos que estavam hospedados no camping. Um deles, chamado Adriano, de Itapetininga-SP, que também conhecia muito bem a região. Então combinamos de conhecer mais algumas coisas com eles no último dia. De manhã, acordamos e fomos juntos com o Dema (que também é guia), o Adriano e o amigo dele para o Núcleo Santana conhecer a Caverna de Santana. Valeu muito a pena, eles explicaram tudo por lá e a caverna é surpreendente. Muito grande e cheia de formações interessantes !

IMG_2365

Piscinas naturais no Rio Betari

IMG_2414  IMG_2454

Estalactites, estalagmites, e à direita uma formação conhecida por “Bailarina”

IMG_2402

Caverna de Santana

Voltamos pro camping, almoçamos e combinamos de ir com o Adriano e o amigo conhecer uma caverna que não é aberta a turistas, a Caverna da Laje Branca. O Dema nos deixou em uma estradinha de terra e fomos nós quatro rumo à caverna. percorremos alguns quilômetros de trilha, e vimos a caverna de longe, incrustada na mata Atlântica.

IMG_2486

Entrada da Caverna da Laje Branca

Entramos na mata e fomos percorrendo uma trilha de mais alguns quilômetros, até que chegamos ao pórtico da caverna: Gigantesco, quase não conseguimos ver o topo da pedra. pelo que o Adriano contou, essa caverna, diferentemente das outras da região, foi formada não pelo desgaste do calcário pela água, mas por um tremor de terra que há milhares de anos fez a rocha se deslocar abrindo um vão que resultou na caverna.

IMG_2523

Pórtico da caverna – altíssimo !

 IMG_2535

Olha a loucura ! brincando de alpinista !

IMG_2550

Caverna da Laje Branca

A caverna por dentro é muito grande e alta, cheia de pedras no chão. Andamos cerca de meia hora até chegar onde acaba a caverna. pelo formato dela, dá para ver que o que o Adriano disse faz sentido. Não há bifurcações, e a caverna vai afunilando conforme adentramos. Parece mesmo que uma grande rocha se abriu e a caverna nada mais é do que uma enorme rachadura na rocha. Nessa caverna vimos coisas curiosas também, como uma estalagmite gigante, que lembra um gigantesco bolo de festa e também vimos “pérolas”, umas pedrinhas que se formam com o cálcio contido na água que pinga das estalactites, e com o movimento da água, em milhares de anos as pedras tomam forma ovaladas.

IMG_2563

As pedras no chão da caverna

IMG_2577

“Pérolas”

IMG_2593

“Bolo”

IMG_2588

Formações curiosas – Helictites

IMG_2612

Caverna se afunilando

 

SIGA O REVOLTEIO NAS REDES SOCIAIS:

FACE       INSTA      PINTE      YouTube-icon-400x400

Um comentário sobre “PETAR/SP – Agosto de 2012

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s