CIDADES HISTÓRICAS DE MG – DEZ/2014

Chegando feriado de final de ano, hora de colocar na estrada a Montana com o Kit Mobiroom (agora o kit de conversão em motorhome tem um nome!). Fomos para Minas Gerais novamente, mas dessa vez, para dar um revolteio mais completo pelas cidades históricas. Dia 31 de dezembro, tudo arrumado, saímos muito cedo de Bauru, e depois de quase 600km passamos por Três Corações-MG por volta das 13hs. Seguimos então para a cidadezinha mineira de Luminárias, bem próxima a Três Corações. A cidade é muito pequena, e não há praticamente nenhuma estrutura para turismo, mas é na área rural é que estão os grandes atrativos: Rios, morros, e uma infinidade de cachoeiras e paisagens maravilhosas. Pedimos algumas informações aos moradores e seguimos para uma estradinha de terra. A primeira placa já nos deu uma amostra do que há no local.

IMG_0661

Quanta cachoeira !!!

Seguimos então pela estradinha de terra, que é cortada por vários rios, com poços para banho e pequenas cachoeiras. Resolvemos ir até a última delas, a Cachoeira da Serra Grande. Depois de alguns quilômetros, a estrada de terra começou a ficar bem precária, e cada vez mais íngrime. Em alguns momentos a Montana sofreu para continuar o caminho. Após a subida do morro, a vista de lá foi recompensadora.

IMG_0664

Subidas difíceis

IMG_0665

Serra Grande

Ok, começamos a descer pelo outro lado do morro, em direção à cachoeira. Chegamos então a um sítio bem simples, e os moradores nos receberam muito bem. Todos os carros que estavam por lá (uns 5 no total) eram 4×4. Enfim, nosso sofrimento para chegar até lá foi justo. Pagamos R$10 cada na entrada e nos indicaram uma trilha para a cachoeira. Andamos uns dez minutos e então chegamos. Lá vimos que o esforço valeu a pena. A cachoeira é deslumbrante! Apesar da água gelada, não resistimos a um bom banho !

IMG_0669

Cachoeira da Serra Grande

IMG_0671

A transparência da água impressiona

Voltamos para o carro e passamos mais alguns perrengues para voltar até Luminárias. Por estradas de terra seguimos por mais umas duas horas até São Thomé das Letras. Como fomos para lá em 2009 e gostamos muito, pretendíamos parar lá para passar a noite. Talvez por conta do feriado, a cidade estava terrivelmente cheia de gente, uma bagunça! Nas cachoeiras, filas e filas de carros, chegamos até a pegar congestionamento em uma estrada de terra (!). É claro que não paramos lá, e seguimos então para Carrancas (que também ficamos em 2009) – Tão cheia quanto São Thomé das Letras! Culpa do feriado ! Então continuamos a seguir até São João Del Rei, onde talvez conseguiríamos algum lugar em conta para passar a noite.

IMG_0678

Estrada próxima à Luminárias

IMG_0680

Estrada de Carrancas

Chegando na cidade, fomos a um mercado (não me lembro o nome) e comemos uns pãezinhos de queijo muito bom (bem vindo à MG). Procuramos muito (por conta do feriado, praticamente todos os hotéis e pousadas estavam lotados, e os preços, caríssimos). Já por volta das 21hs conseguimos um motelzinho barato e ficamos por lá mesmo.  Depois de passarmos a virada do ano em um motel (rs), acordamos lá pelas nove horas e fomos dar uma volta por São João del Rei. Já conhecíamos a cidade, mas valeu a pena mais um passeio por lá, pois a cidade é muito bonita, com inúmeras igrejas e prédios históricos, museus, etc. Aliás, nessas cidades históricas tem MUITAS igrejas, praticamente para qualquer lado que você olhar vai ver uma.

IMG_0695

Centro Histórico

IMG_0698

Igreja Nossa Senhora do Carmo

IMG_0700

Igreja Nossa Senhora das Mercês

IMG_0708

Igreja São Francisco de Assis

IMG_0713

Interior da Igreja São Francisco de Assis

Já no final da manhã, seguimos rumo a cidade histórica de Gongonhas. No caminho, passamos por Lagoa Dourada, famosa pelos rocamboles produzidos por lá. Apesar de pequena, a cidade tem inúmeras padarias que oferecem o doce em vários sabores. Experimentamos o de doce de leite. E faz jus à fama, realmente é muito bom !

IMG_0717  IMG_0718

Haja rocambole !

Chegamos em Congonhas por volta do meio dia, e fomos direto para o ponto turístico mais famoso da cidade, e talvez no ponto mais alto (uma ladeira absurda), o Santuário de Bom Jesus de Matosinhos, inaugurado em 1875, onde fica a igreja de mesmo nome, e em frente, os Doze Profetas, entalhados em pedra pelo escultor Aleijadinho. As esculturas são praticamente em tamanho real e espanta pela riqueza de detalhes e expressão. O local estava lotado, muitos turistas. a visita ao santuário é Gratuita.

IMG_0737

Igreja Bom Jesus de Matosinhos

IMG_0726   IMG_0730   IMG_0734

Alguns dos profetas esculpidos em pedra-sabão

No mesmo santuário, um pouco abaixo, há várias capelas com as etapas da Via Crucis, com todos os personagens entalhados e pintados em madeira também pelo escultor Aleijadinho. As cenas são muito interessantes, todas as as esculturas tem tamanhos reais e expressões e movimentos muito bem feitos. Pena que as capelas que estão as esculturas de madeira ficam fechadas, sendo possível vê-las apenas por pequenas aberturas nas portas.

IMG_0741

Capelas da Via Crucis

IMG_0742 IMG_0746 IMG_0749

Estátuas em tamanho real entalhadas em madeira representando a crucificação de Cristo

Saímos de Congonhas no início da tarde, paramos para almoçar na beira da estrada (no carro), e seguimos para Ouro Preto. O tempo estava feio e já estava dando umas pancadas de chuva. Chegamos em Ouro Preto por volta das 15hs. A cidade é muito legal, toda de pedra, e como chegamos em uma parte alta da cidade, paramos na Igreja Nossa Senhora do Rosário, e de lá vimos que a cidade fica no meio de um monte de morros, as casas de pedra parecem estar empilhadas. Como era feriado (01/01), demos o azar de muitos museus e igrejas da cidade estarem fechados, então praticamente só vimos as construções históricas por fora.

IMG_0756

Preparando o almoço

IMG_0768

Igreja Nossa Senhora do Rosário

IMG_0760

Vista da igreja acima

Passeamos pelas ruas de pedra, que estavam molhadas por conta da chuva (e como dá trabalho andar de carro em Ouro Preto), cheio de ladeiras escorregadias, estreitas e íngremes. Se não fosse a chuva, talvez fosse melhor conhecer a cidade caminhando. Vimos a Igreja São Francisco de Assis, e também a Universidade Federal de Ouro Preto. No meio cidade tem uma praça muito grande (uma das poucas partes planas de lá, rs) com um mastro no meio. Diz a história que lá foi exposta a cabeça de Tiradentes (!). Nessa praça também está o Museu da Inconfidência, e também algumas lojas de artesanato, bares e restaurantes.

IMG_0771    IMG_0769

A cidade fica no meio dos morros

IMG_0773

Universidade Federal de Ouro Preto

IMG_0772    IMG_0777

Praça Tiradentes e o Museu da Inconfidência

IMG_0770

Ladeiras

 No fim da tarde ainda fomos para Mariana, que como Ouro Preto, está encravada nos morros. A cidade é pequena, tem o centro histórico todo de pedra, com igrejas muito antigas também. No alto de um morro, subindo uma ladeira muito íngrime, talvez o mais alto da cidade está o grande ponto turístico da cidade, a Praça Minas Gerais. Lá estão localizadas quase lado a lado a Casa de Câmara e Cadeia e duas igrejas enormes muito parecidas, praticamente uma de frente para a outra, a Igreja Nossa Senhora do Carmo  e a Igreja São Francisco de Assis. Também na mesma praça há o Pelourinho, e um pouco mais à frente a Basílica de São Pedro dos Clérigos. A vista da cidade lá de cima também é muito bonita. É uma pena saber que boa parte da região seria destruída pela lama da mineradoras no ano seguinte. Triste.

 IMG_0786

Casa de Câmara e Cadeia

IMG_0787

Igreja Nossa Senhora do Carmo

IMG_0789

Igreja São Francisco de Assis

IMG_0791

As igrejas uma de frente para outra

IMG_0785

Pelourinho

IMG_0794

Vista da cidade de Mariana

IMG_0792

Basílica de São Pedro dos Clérigos

Começou a escurecer e saímos de viagem novamente, agora procurando algum lugar para passar a noite. Seguimos até Conselheiro Lafaiete, e dormimos em um motel. No dia seguinte, passamos por Barbacena, para conhecer o Museu da Loucura. Estava em reforma e não pudemos ver… Uma pena. Continuamos a viagem rumo ao sul de MG, passando por várias cidadezinhas, e mais algumas horas depois passamos por Caxambu  e finalmente parando na cidade de Lambari. Demos uma volta pela cidade, e paramos no Camping Cachoeira do Roncador, na zona rural.

IMG_0834

Bar do camping

O camping fica mais ou menos a 10km da cidade. No local há um bar (que também serve refeições), e a zona de camping é muito limpa e organizada. Tem um gramado bom e áreas de sombra, além de pontos de luz, torneiras e churrasqueira. Ao lado de onde ficam as barracas, passa um riacho, que garante um ótimo som para dormir. O banheiro do camping tem chuveiro quente e é limpíssimo, os proprietários do local são super solícitos e atenciosos ! Pagamos R$20 cada e valeu cada centavo. Outro ponto positivo é que o bar fica separado da área de camping, o que garante a tranquilidade dos campistas.

IMG_0809

Praticamente só nós acampados

IMG_0802

Riacho que passa ao lado do camping

 IMG_0820

Visitantes

Nesse dia ficamos no bar conversando e tocando violão até tarde da noite com os proprietários e uma família que estava acampando também. Fizemos a janta no carro (Mobiroom!), e dormimos muito bem. No dia seguinte, fomos conhecer um belo atrativo do camping. A Cachoeira do Roncador. A propriedade é dos mesmos donos do camping, e quem visita paga R$10 para entrar, mas quem está acampado pode entrar de graça. Seguimos uma trilha margeando o rio, com várias quedas e poços para banho. A Cachoeira do Roncador é bem alta, vale a pena o passeio. Ficamos lá bastante tempo.

IMG_0821

Rio da cachoeira

IMG_0816

Alguns poços para banho

IMG_0811

Cachoeira do Roncador

À tarde, saímos para dar uma caminhada. Próximo ao camping, há vários morros e trilhas, então pegamos uma dessas e fomos subindo, beirando um cafezal imenso. Lá de cima, a vista é linda, dá para ver o camping, os morros ao redor e até uma cachoeira mais acima no mesmo rio.

IMG_0827

Mais uma cachoeira, antes do camping

IMG_0829

O cafezal e os morros

Já no finalzinho da tarde voltamos a trilha, jantamos e dormimos. No dia seguinte, acordamos meio cedo e começamos a viagem de volta para Bauru. Em Lambari, passamos por um lago enorme que fica no centro da cidade, chamado Lago Guanabara. No camping, o proprietário havia nos falado muita coisa sobre o lago e também sobre o Cassino do Lago, de 1911, que teve grande parte da construção importada da Europa, como azulejos, porcelanas e obras de arte. Esse cassino funcionou pouquíssimo tempo e teve de ser fechado. Como o nome diz, o prédio fica na beira do lago, e uma grande avenida dá a volta nele. Atualmente o prédio está fechado para reforma e é o cartão postal da cidade.

IMG_0836

Cassino do Lago

SIGA O REVOLTEIO NAS REDES SOCIAIS:

FACE       INSTA      PINTE      YouTube-icon-400x400

Um comentário sobre “CIDADES HISTÓRICAS DE MG – DEZ/2014

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s