SANTA CATARINA (DEZ/2018): VALE EUROPEU

Vamos então para o terceiro post sobre nossa viagem ao interior de Santa Catarina! Confira os posts anteriores aqui e aqui.

Beleza. No final da tarde, chegamos à cidade de Timbó, já no chamado Vale Europeu (por conta dos imigrantes principalmente vindos da Alemanha e Itália e seus descendentes que vivem na região). Atravessamos a cidade e paramos no Museu da Música. O museu funciona em um prédio de estilo alemão, que já chama a atenção pela arquitetura. A entrada é gratuita, e eu que adoro música e instrumentos musicais, fiquei alucinado!

img_2963
O Museu da Música, em Timbó/SC

Tudo muito organizado, com um acervo enorme, muito variado, além de peças antigas e raras. Tudo explicadinho, sensacional. Passeio imperdível!

img_2976
Instrumentos de todo o mundo
img_2977
Vish, pirei!

Saímos e pegamos uma estrada de terra rumo à Rio dos Cedros. A estrada vai serpenteando uma serra ao lado de um rio. Andamos bastante, o rio se tornou uma represa, e finalmente chegamos ao incrível Hotel Parador da Montanha!

 

20181215_154533
Hotel Parador da Montanha

Ficamos hospedados ali 2 noites. Fomos atendidos pelo Marcelo, super gente boa, resolve praticamente tudo por lá! Assim que chegamos, ficamos encantados com o estilo do hotel, decoração, tudo. E ainda tinha um belo café da tarde, já aproveitamos para uma boquinha.

O hotel é um lodge todo rústico, de madeira, cheio de detalhes, um grande salão que funciona como sala, refeitório e sala de convivência com um barzinho ao lado. Super aconchegante, com lareira, piscina, e uma vista deslumbrante da represa! Nossa suíte, um luxo. Com lareira e uma cama enorme (acho que cabe umas 7 pessoas, rsrsrs). Ah, sim, e o hotel funciona em esquema de meia pensão (café da manhã, café da tarde e jantar)!

 

img_2983
Nosso quarto

 

20181215_155913
Piscina

img_3072
E a vista para a represa!

Nesse dia, curtimos a piscina (com aquela vista maravilhosa), descansamos, tirei algumas fotos, e jantamos (comida muito boa). No dia seguinte, um super café da manhã e fomos conhecer as redondezas à bordo da Jubiraca! 

 

20181214_204957
Jantar – Polenta com frango!

 

img_3036
Café da Manhã

Seguimos em frente na mesma estrada de terra, passamos por cima de um riozinho que atravessa por baixo da estrada e cai na represa como uma cachoeira… É claro que parei para fotografar!

Pra variar, fizemos uns caminhos errados, mas chegamos à Cachoeira e Gruta do Índio. Estacionamos e pagamos R$5 cada pela visita. Passamos a pé pelo restaurante que fica na entrada da propriedade, e seguimos uma trilha morro abaixo por um pasto. Alguns minutinhos depois, já vimos a parte de cima da cachoeira (1ª queda e gruta), mas pegamos a trilha à direita para ir até a segunda queda. Descemos mais um pouco por uma trilha fechada, e chegamos ao pé da cachoeira! Muito alta, com muita água! Super bonita! Ficamos um tempo ali e subimos para a primeira queda.

 

20181215_112717
Caminho para a cachoeira

 

20181215_115414
Segunda queda

A primeira queda é muito legal pelo fato de ter uma gruta atrás dela! A cachoeira é baixinha, mas uma grande laje de pedra forma uma espécie de toldo onde a água cai, e é possível entrar atrás dela! E a vista dali é de tirar o fôlego (dá uma olhada nesse vídeo!) A água estava fria, mas não nos importamos! Ver o vale e o horizonte através de uma cortina d’água valeu o dia!!!

20181215_120342
Primeira queda – e a gruta
20181215_121055
E a vista por trás da cachoeira!!!

Voltamos, comemos um lanche em uma vendinha, e voltamos pela estrada de terra. Mais uns quilômetros, e chegamos na Cachoeira Formosa. Lá pagamos R$10 cada para entrar. No local funciona um camping. Parece ser bem estruturado. O proprietário nos orientou, seguimos um caminho à esquerda e vimos a Cachoeira Formosa do alto. Muito alta, e com uma força absurda… Nela não é permitido nadar (até porquê seria necessário fazer uma trilha bem complicada até lá embaixo)

20181215_140359
Cachoeira Formosa

A outra cachoeira (alguns metros acima, no mesmo rio), bem rasinha mas com um volume legal de água, aí sim entramos. Bem gelada, mas uma delícia!

20181215_141024
Nessa rolou um banho!

20181215_145532
Até na estrada tinha uma cachoeira!

Voltamos para o hotel (e pegamos uma chuva absurda no caminho). Chegamos e ficamos de boa por lá. Conhecemos um casal de Blumenau super gente boa, indicaram uns passeios lá pra gente. Jantamos e ficamos no barzinho, tomando umas e conversando com o proprietário do hotel, muito gente boa também. Conversamos sobre viagens!

Tomamos café da manhã e saímos do hotel pela manhã. Ainda paramos na estrada para fotografar uma ponte de madeira coberta, super legal.

20181216_100812
Ponte coberta

Em pouco tempo, chegamos à Pomerode. A cidade é super bonita, e cheia de descendentes de alemães. A arquitetura, costumes, gastronomia, tudo isso acompanha essa cultura.

Comemos qualquer coisa, demos uma volta na cidade e chegamos na linda Pousada Edelweiss. Toda em estilo alpino, muito bonita. Uma casa enorme. Chegando, fomos muito bem recebidos pelo Luís, que trabalha no local. Nos entregou um kit de flyers e informativos sobre a cidade, e deu muitas dicas de locais para visitar.

20181216_195717
Pousada Edelweiss

 

O quarto, super confortável, com varanda, super limpinho e caprichado nos detalhes. Demos uma volta pela pousada, na parte dos fundos tem uma piscina e um bosque com trilhas, super bonito!

img_3080
Nosso quarto!
img_3110
Bosque
img_3111
Piscina

Saímos e fomos conhecer a Casa do Imigrante. Como o próprio nome diz, o museu é uma casa, onde tudo está organizado como era a casa de uma família alemã que chegou ao Brasil no início do século. O estilo é enxaimel, assim como muitas do Vale Europeu. Os tijolos e o madeiramento das paredes aparentes são marcas registradas. A entrada no museu é gratuita.

img_3092
Casa do imigrante
img_3085
Quarto

Voltamos pra pousada, e como já estava no final da tarde, ficamos por lá mesmo. No dia seguinte, ficamos impressionados com o café da manhã. Uma variedade absurda, incluindo doces, bolos e tortas típicos. Nos esbaldamos!

img_3095
Que fartura!

Saímos e fomos ao Museu do Marceneiro. O local tem entrada gratuita, e funciona uma grande loja de produtos de madeira, principalmente utensílios de cozinha. O museu é pequeno, mas interessante. Uma marcenaria movida à água. Uma enorme roda d’água na parte de baixo do barracão, e uma serraria. Tudo de madeira!

img_3122
Museu do Marceneiro

Percorremos de carro também a Rota do Enxaimel, uma estrada com uma série de casas nesse estilo. Parece que passamos por um pedaço da Europa! Ainda conhecemos a última casa nesse estilo feita de taipa (barro e bambu).

20181216_164210
Casas Enxaimel
20181216_132056
Tudo muito limpinho e bem cuidado
20181216_130256
E a última casa enxaimel de taipa…

Lá pelas 11h fomos para Blumenau. Conhecemos o Mausoléu do Dr. Blumenau, e o Museu da Cerveja (ambos gratuitos). O museu da cerveja é bem interessante, mostra como era o processo de fabricação da bebida antigamente. Andamos pela rua principal da cidade, mas o calor estava tanto que conseguimos andar só umas 5 quadras, e voltamos para o carro (por causa do ar condicionado).

20181217_134118
Museu da cerveja
img_3135
Cacarecos interessantes…
img_3138
Breja

20181217_135554
Kkkkkk

Visitamos também o Museu da Hering. A malharia tem um museu, super interessante e completo. A visita é guiada (tudo gratuito), e mostra toda a evolução da fábrica fundada pela família alemã. Depois da visita, fomos até a loja de fábrica, compramos um par de camisas – e olha que demais – levamos ao museu, lá eles estampam de graça uma camisa hering a gosto do freguês. E é claro que estampamos um REVOLTEIO bem grande nas nossas! Muito legal!

img_3142
Máquinas de tecer antigas
20181217_171248
Olha o que saiu…
20181217_171913
Tcharããã!!!

Como já estávamos em Blumenau, fomos conhecer a Villa Germânica, um grande recinto de eventos (onde acontece a Oktoberfest, anualmente), todo temático, parece mesmo uma vila alemã. Com lojas, restaurantes, exposições, tudo com decoração natalina.

20181217_183422
Villa Germânica

Visitamos uma exposição de presépios de todo o mundo que estava acontecendo lá, e depois fomos à uma choperia, e bebemos só um poquinho, rsrsrs

20181217_184324
Ops.

À tardezinha, aproveitamos a piscina do hotel (que estava quente, de tão calor que estava esse dia), e à noite saímos pela cidade, que estava toda enfeitada de natal, e visitamos uma feirinha de artesanato, barraquinhas de comida, etc.

20181216_203139
Pomerode toda enfeitada

No dia seguinte, aquele café da manhã, fizemos check-out e saímos. Passamos comprar umas lembrancinhas comestíveis pela cidade, e seguimos viagem. Em Jaraguá do Sul fizemos uma paradinha no Parque Malwee, uma grande área de preservação mantida pela malharia. Visitamos os museus do parque, tudo gratuito.

20181217_142239
Parque Malwee

Seguimos viagem, agora rumo à nossa casa. Mas ainda paramos em Curitiba. Mas isso já é papo pro próximo post!

.

Nota: A hospedagem do Blog Revolteio no Hotel Parador da Montanha e na Pousada  Edelweiss foram cortesias. Todo o texto e fotografias representam livre expressão sobre a hospedagens.

SIGA O REVOLTEIO NAS REDES SOCIAIS:

FACE       INSTA      PINTE      YouTube-icon-400x400

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s