JALAPÃO/TO – DEZ 2019

Olá, leitores do Revolteio! Estamos de volta!

Depois de um tempo sem posts tão relevantes, voltamos com tudo! Aproveitamos as férias do final o ano para fazer uma viagem de 20 dias com mais de 6.000km pelo interior do Brasil, visitando 4 Parques Nacionais, muita natureza, cachoeiras, cavernas, passando por longas e intermináveis estradas de terra… Muita aventura!

20191219_164009
Arrumando as tralhas

E a partir de agora, colocamos tudo aqui, com muitas fotos, detalhes e dicas para inspirar e de alguma forma ajudar quem está planejando passear por algum (ou todos!) esses lugares maravilhosos! E para começar essa viagem, nada melhor que o Jalapão, no coração do Estado do Tocantins!

Lembra que já tentamos chegar no Jalapão com a Montana e deu ruim? Pois é, dessa vez fomos bem preparados e chegamos! Quanta coisa legal!!!

20191221_133235
Parada no acostamento para o almoço

Saímos de Botucatu numa sexta-feira de manhã, rodamos até Uberaba praticamente sem parar. Demos uma parada de umas 2 horas para conhecer o Memorial Chico Xavier e também a Casa de Chico Xavier. São lugares muito interessantes, independente da religião (ou falta dela) de qualquer visitante. Ambos os lugares tem entrada gratuita, e valem muito a pena ser conhecidos.

20191220_134522
Memorial Chico Xavier
20191220_133100
Dentro do Memorial
20191220_135855
Uma das salas da Casa de Chico Xavier
20191220_135841
As boinas que Chico usava
20191220_141016
Algumas das milhares de cartas psicografadas

Rodamos o resto do dia parando somente o necessário, parando pra dormir em Planaltina-DF. Pousadinha na beira da BR. Dia seguinte, nos abastecemos com uns lanchinhos no mercado e pegamos a estrada novamente. Adentramos o Tocantins.

Já no meio da tarde, paramos pra abastecer em Dianópolis/TO, e na conveniência do posto, vimos várias fotos de atrativos das redondezas. Sensacionais! Depois ficamos sabendo que estávamos em uma região chamada Serras Gerais. Quase tão linda quanto o Jalapão, mas ainda não tão famosa.

20191222_081448
E que comecem as estradas de terra!

Depois de uma conversa com o pessoal do posto e um senhor gente boa que nos indicou o caminho, passamos por uma cidadezinha chamada Rio da Conceição, e depois de uma estrada de areia, chegamos à maravilhosa Lagoa da Serra.

20191222_082400
Rio da Conceição
20191221_174044
Chegando à lagoa

Na entrada do local há uma pequena casa onde moram os proprietários. Cobram R$20 por pessoa para entrar e passar o dia ou R$35 por pessoa para acampar. Tem banheiro, bastante sombra e uns quiosques, tudo na areia. Resolvemos acampar.

20191221_175411.jpg
Área de camping

E a lagoa? Coisa de filme! Água incrivelmente transparente, uma areia branca e fininha no fundo, peixes, coqueiros, e uma vista incrível de uns paredões de pedra ao fundo! Como se não bastasse, a temperatura da água é uma delícia!

20191221_175625
Lagoa da Serra

No dia seguinte, acordamos cedo, pegamos umas boa dicas de um pessoal que estava acampado lá, e pé na estrada!

20191222_061531
Lagoa ao amanhecer

Murchamos os pneus da Jubiraca para 20 libras (faz uma diferença absurda em estradas de terra), e rodamos uns bons km poeirentos até chegar ao lindo Rio Soninho. Não se engane. Apesar do nome, o rio tem corredeiras nervosas!

20191222_094340
Rio Soninho

Ficamos ali nadando um pouco, e descemos uma trilha margeando o rio até avistar a Cachoeira da Fumaça por cima (que é a queda desse mesmo rio). O volume e a força da água faz com que se forme uma névoa de gotículas (daí o nome da cachoeira).

20191222_101517
Trilha para a cachoeira
20191222_101439
Dica: Não vá de chinelo!

Desci por uma trilha até a base da cachoeira. A força da água é incrível, e faz um estrondo ensurdecedor lá embaixo. O local é gratuito, mas não tem indicação nem estrutura. Então, cuidado ao visitar!

20191222_100146
Cachoeira da Fumaça – Vista por cima
20191222_101117
Cachoeira da Fumaça – Muita água e um barulhão!

Seguimos viagem por terra, e dando uma olhada no Maps, conseguimos chegar à Cachoeira do Soninho. Também gratuita e muito bonita, mas assim como a da Fumaça, não dá para se banhar. O rio entra nas fendas da rocha e despenca abruptamente dentro de um canyon.

20191222_112742
Cachoeira do Rio Soninho
20191222_120018
E a estrada em si já é uma diversão!

Já mais pro final da tarde, ainda rodando por estradas de terra, adentramos nos arredores do Jalapão. Seguimos por uma estrada de areia bem fofa (e dá-lhe 4×4), até chegar à famosa Pedra Furada. Assim como os atrativos anteriores, não é pago. Tem um pequeno estacionamento sob umas árvores e uma pequena trilha que chega ao local.

20191222_130552
Chegando na Pedra Furada
20191222_131325
Pedra Furada

O arenito que compõe o morro da pedra furada é muito interessante, todo rajado de diferentes cores. Vale a pena conhecer!

20191222_132019
Vista de outro ângulo

Mais estradas de terra, e chegamos em Ponte Alta do Tocantins. Para quem vem de Palmas, a cidade é a última localidade onde chega o asfalto. É conhecida por ser o “Portal do Jalapão”. E apesar de ser pequena, é a cidade com mais estrutura do Jalapão. E a partir de agora, se prepare para o preço dos combustíveis!

20191223_154540.jpg
Galão de 20L extra de Diesel – Preparados!

Quem vai em direção à Mateiros (que fica no meio do parque), a partir de Ponte Alta pega cerca de 170km de terra (terra, poeira, pedra e muita areia). Então é bom abastecer em Ponte Alta! E foi o que fizemos. Enchemos o tanque de diesel, e mais um galão de 20L para garantir. teoricamente, uma autonomia de pelo menos 700km.

Perto de Ponte Alta, nesse dia fizemos mais dois passeios. O primeiro deles, o Canyon Sussuapara. É cobrado uma taxa de R$20 por pessoa para visitação (sinceramente, achamos caro pelo que o local oferece). Há uma portaria e um caminho com plataformas de madeira e corrimãos que levam ao cânion. Lá embaixo tem os paredões de rocha onde a água escorre, e forma um pequeno riacho por onde o visitante pode caminhar (riacho bem assoreado, a água bate na canela). Tiramos umas fotos, e cerca de meia depois já estávamos no carro.

20191222_145329
Descendo para o Canyon
20191222_145431
Canyon Sussuapara

O outro passeio, já no finalzinho da tarde, encontramos novamente com a ajuda do GPS do celular. Chegamos à Cachoeira do Lajeado, entrada gratuita. Paramos o carro e descemos uma pequena trilha de onde já se vê o riozinho.

20191222_155355
O riozinho

O rio corre por umas pedras retas e avermelhadas, formando várias pequenas quedas, e desaguam em uma cachoeira maior. Bem legal!

20191222_155521
Cachoeira do Lajeado

Já anoitecendo, voltamos à Ponte Alta do Tocantins, e procuramos um local para dormir. Camping, R$50 por pessoa (fora de cogitação). Pousadas e hotéis, quase todos de R$150 pra cima para duas pessoas. Procurando mais um pouco, encontramos o Hostel Ambiente Familiar por R$120 para os dois, com ar condicionado, café da manhã e um casal de senhores como proprietários que só faltam te carregar no colo! Muito simpáticos. E ambos fazem artesanato de capim dourado!

20191222_190251
Hostel
20191222_190305
Capim dourado

Ficamos ali sentados conversando com eles durante horas, até que o sono bateu e fomos dormir.

Dia seguinte, tudo no jeito, bora pra Mateiros, coração do Jalapão! Calorzinho básico, uns 38º, ar condicionado no talo, e vamo que vamo! Pegamos um retão infinito de terra e só viramos quando vimos uma placa escrito Lago Azul. Opa, atrativo, vamos ver!

Seguimos mais um bom tempo e nos deparamos com que parecia ser um clube abandonado, com um lago (que não era azul). Bom, demos uma olhadinha e voltamos pra estrada principal.

20191223_093444.jpg
Lago azul… só que não

Mais chão, e chegamos ao Centro de Visitantes do Complexo Cachoeira da Velha. Lá tem banheiro, água e um mapa bem detalhado dos atrativos do parque. Pegamos umas informações com o funcionário e seguimos com a Jubiraca em direção à Cachoeira da Velha (entrada gratuita).

20191223_111326
Centro de Visitantes

Estacionamos e já vimos o rio enorme lá embaixo. Seguimos por uma plataforma de madeira com corrimãos até a beirada do rio. Mais uma trilha curtinha e chegamos na cachoeira.

20191223_113410
Plataformas
20191223_113746
Quase lá…

Show! Um volume d’água e uma força absurda! Obviamente não dá pra entrar na água, mas as fotos e a sensação de ficar ali na frente da queda são maravilhosas!

20191223_113927
Cachoeira da Velha
20191223_114110
Também conhecida como “Mini Foz do Iguaçu”, rs

Voltamos para o carro e seguimos por mais uma estrada (no Jalapão sempre estradas de terra, nem vou comentar mais isso, rs) até a Praia do Rio Novo (que é mesmo rio da Cachoeira da Velha, um pouco mais adiante). Muito bom lá, um banco de areia bem branca, e o rio bem limpo.

20191223_121555
Trilha para a prainha
20191223_122037
Prainha do Rio Novo

Depois de curtir a praia, seguimos adiante, mais à frente passamos por uma comunidade e logo começamos a ver os paredões de arenito colorido que estão em todas as fotos de quem visita as dunas.

20191223_151720
No caminho também tem lugares lindos!
20191223_161644
Já avistando os paredões

Recomenda-se que as Dunas do Jalapão sejam visitadas à partir das 16h por causa da temperatura da areia. Passamos na portaria (entrada gratuita), preenchemos uns documentos e recebemos orientações do funcionário. A partir daí, a estrada é um areião só! Se algum maluco chegou até aqui de carro 4×2, daqui não passa, rs.

Percorremos o areião, paramos onde os carros estavam estacionados e continamos a pé. A trilha é bem tranquila, e em alguns momentos, passa por trechos de água (pelo joelho). Então damos de cara com a duna. A beleza do local é indescritível!

20191223_163115
Trilha
20191223_163924
Começando a subir as dunas
20191223_164519
Sempre-vivas

A dunas enormes e douradas, em volta uns riachos transparentes cheios de palmeiras de buriti e lá longe uns morros de arenito de cores diversas. Ficamos algumas horas lá em cima da duna contemplando a beleza.

20191223_165641
A mais linda e famosa vista do Jalapão!
20191223_165919
Lá embaixo, os riachos e os buritis
20191223_170557
Indescritível!

Seguimos estrada, e já à noite chegamos à cidadezinha de Mateiros. Nos hospedamos na Pousada Aconchego, muito boa. Descarregamos nossas talhas e boa noite!

Dia seguinte, acordamos cedo e fomos para a Cachoeira da Formiga. Fica a uns 30 km de Mateiros e é cobrado taxa de R$25 por pessoa para entrar no local. Mas vale cada centavo. A cachoeira não é alta, mas tem um lago incrivelmente verde onde é possível nadar e curtir a natureza. Sensacional!!!

20191224_092124
Cachoeira da Formiga
20191224_092314
Lindo demais
20191224_104156
Pessoal curtindo…

Curtimos muito a cachoeira e fomos conhecer um dos fervedouros, que são as pérolas do Jalapão. Fervedouros são lagos de água muito cristalina e areia fina e branquinha, onde o tempo todo a água fica brotando no fundo, impedindo os visitantes de afundar. No Jalapão tem mais de 10 fervedouros. Uns mais famosos, maiores, menores, mais fundos, pra todos os gostos. Em média, em cada fervedouro é cobrado R$20 por pessoa para entrar.

Procuramos um que não fosse muito conhecido, pois não gostamos de aglomeração de pessoas (nos fervedouros mais famosos, cada grupo de pessoas só pode ficar na água 15  minutos, para dar lugar aos próximos visitantes). Depois de pesquisar um pouco e perguntar para moradores locais sobre o fervedouro mais bacana, optamos pelo Fervedouro Macaúbas, que por sinal, adoramos! Chegamos e fomos bem recebidos pelo proprietário, e ficamos esperando um pouco a chuvinha parar. Então, descemos e vimos a maravilha que é um fervedouro.

20191224_122308
Não fizemos selfie… Mas acredite, estivemos lá! rs
20191224_122312
Um chuvisquinho…

Ficamos ali nadando e curtindo mais de 2 horas. A água é absurdamente transparente, e a areia do fundo faz até barulho quando pisamos nela, de tão fina. As bananeiras ao redor completam a beleza do local.

20191224_122320
Fervedouro das Macaúbas

Como ainda estávamos com tempo, resolvemos visitar também o Fervedouro Encontro das Águas. Entrada: R$15 por pessoa. O fervedouro em si é bem pequeno, mas o legal é que a água que brota no fundo tem muita pressão. Se tentar ficar em pé no meio desse fervedouro, praticamente metade do seu corpo fica pra fora d’água.

20191224_143538
Fervedouro Encontro das Águas
20191224_144154
Mi no fervedouro

Outro atrativo legal nesse mesmo local, é o encontro de dois rios (daí o nome) onde se pode nadar. Um dos rios tem a água muito fria e turva, e o outro tem a água mais morna e transparente. Bem interessante!

20191224_142524
Encontro dos rios

Ainda no finalzinho do dia, visitamos a Comunidade Quilombola Mumbuca, onde os moradores produzem e vendem artesanato de capim dourado!

Já quase à noite, retornamos para a pousada. Ah, sim, era dia 24/12 – Passamos o natal tomando uma cerveja, comendo uns aperitivos e conversando com uma família muito gente boa de Brasília que estava passeando por lá 🙂

Dia seguinte, pegamos a estrada em direção ao sul do Pauí, rumo ao Parque Nacional da Serra das Confusões! Confira no próximo post!

.

SIGA O REVOLTEIO NAS REDES SOCIAIS:

FACE       INSTA      PINTE      YouTube-icon-400x400

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s